terça-feira, 31 de maio de 2011

Para todos os que tentaram estragar o meu dia:



Lamento informar que não o conseguiram.

Rir é o melhor remédio!

De vagar vou aprendendo a organizar as minhas emoções. Não as apago. Mas prefiro mudá-las de sitio. Arrumá-la de outras maneiras.
Não procuramos nada nos outros que não tenhamos em nós próprios.
Vivo o amor que tenho pela minha família e pelos meus amigos, que dela também fazem parte.
Danço, canto, abraço, dou beijinhos, sorrio, solto gargalhadas, faço mais um brinde e fumo o último cigarro.
Profecias vão se repetindo, ecoam ao longe na minha cabeça, e é lá que de momento devem estar.
Descubro os encantos de jardinar em biquíni, e de minutos a minutos, pouso o ancinho e as luvas e refresco-me com uma boa mangueirada.
O sol já queima.
Agora à sombra, divirto-me a fazer vários arranjos de flores.
Encho a casa de flores. A minha casa, sim... Agora digo-o ao mesmo tempo que o sinto.
Nesta cidade, que aparentava ser fria, monótona, amarga, descubro como ser feliz.
Começo me a sentir parte da cidade, essa cidade esquisita, que muda de cor à medida que me apaixono por ela.
Cozinho para a minha gente, para a minha família. Nem todos os dias todos estão presentes, mas vão sempre aparecendo e isso aquece-me o coração.
Jogos de cartas e palavras, pelo meio muita música e dança também.
A noite noite deixa de ser tão dolorosa.

"Music sounds better with you."

sábado, 28 de maio de 2011

Ela ainda envergonhada entrou no restaurante.
Nervosa, porque não o conhecia.
Não sabia quem ele era, mas todo aquele requinte inicial soube-lhe bem.
Percebeu o quanto ele é especial nesse momento.
E escondendo entre o cabelo, a face sardenta, esboçou um sorriso.

quarta-feira, 25 de maio de 2011

Para ti, porque hoje é o teu dia


Olho para ti.
Com 31 anos, mãe de duas filhas (lindas por sinal), olho para ti e o meu peito incha de orgulho.
Acho que se já tenho cabelos brancos, a ti se devem dois ou três.
Como sangue do meu sangue que és, és uma constante preocupaçao para mim, sem que faças por me preocupar.
Mas preocupas-me. E sabes porquê? Simples: Gosto de ti.
Neste teu dia, quero o relembrar-te o amor que te tenho.
Ès muito, muito importante para mim.
Hoje o serão é nosso, e sábado vai ser uma noite daquelas.

Parabéns Joaninha!




És quem mais me alimenta o ego sem sequer me tocar.
Claro que preferia ter-te a meu lado todos os dias, e poder aninhar-me em ti sempre que me apetecesse.
Mas mesmo assim, sabe-me bem saber que existes e que apesar de tudo te tenho por perto.
E mesmo com esse feitio, e como todos os problemas de comunição que temos tido, eu gosto de ti, assim

terça-feira, 24 de maio de 2011

Pensamento do dia



Novela


"Olá Papá!" - Disse-te eu, nesse dia. Como em todos os outros...
Desde que ele nasceu, que passou a ser assim.
Em dias de bom tempo, pego nele, e deito-o numa manta sobre a relva do jardim. Enquanto ele dorme a sesta, eu aproveito para escrever. Antes da hora do lanche, e enquanto ele não desperta completamente, vou alternando entre fazer o lanche e adiantar o jantar.
Depois de uma papa, e daquele nosso bocadinho de mimo e brincadeiras, passeamos pelo jardim e vamos-nos aproximando do portão.
O Papá está quase a chegar.
Ao longe começa-se a ouvir o barulho do carro. Está cada vez mais próximo.
O cão junta-se a nós, e sabendo quem lá vem abana a cauda freneticamente.
"Olha quem está a chegar, o Papá vem lá..." Digo-lhe eu. Ele também o sabe.
Olho para ele, dou-lhe um beijinho na bochecha e repito vezes para mim mesma "Meu querido filhote".
Admiro-o.
O meu filhote é sem dúvida a materialização dum grande amor.
Completamente rendida aos encantos do amor, volto a concentrar-me na estrada e sorrio para o Papá desde que ele sai do carro até que chega junto de nós e abraça-nos.
Cumprimenta-te a ti primeiro e depois a mim.
Aquele beijo de lábios carnudos, que tão bem contrastam com a pele morena, multiplica-me a energia, e apaixona-me dia após dia.
Dou-lhe um beijo no pescoço e respiro-o. Sorrio.
Digo-lhe o quanto gosto dele.
E sinto-me feliz.

A minha primeira novela

AVISO À NAVEGAÇÃO:

A partir de hoje não levem a peito todos os recados que vierem aqui parar intitulados de "Novela".
A "Novela" é fruto exclusivo da minha imaginação.
É surreal.
Não existe.
É o que me apetecer.

sábado, 21 de maio de 2011



Quando era pequenina dizia que quando fosse grande ia ter cinco filhos.

Aos 15 anos, dizia que me queria casar aos 23, e que seria mãe aos 24.

Aos 18 fui para a faculdade a pensar que ia encontrar o homem da minha vida lá e o que sonhava aos 15, ia realizar-se.

Ontem, se noivo, nem projectos deste género, fui almoçar com 5 colegas minhas, e basicamente só se falou em bebés, por todas elas serem mães, sendo que uma delas está uma super grávida, e outra por ter sido mãe de duas gémeas lindas.

Havia comentado com a Anita, na noite anterior que ando com uma certa vontade de ser mãe.

Mas ontem, depois daquele almoço, fiquei mesmo a filmar com a vontade de ser mãe.

E imaginei ter a minha pequena familia. Imaginei um passeio a 3 numa manhã de verão. E senti que é tudo isso que eu mais quero para mim.

Quero ser mulher, e quero acima de tudo ser mãe.

quarta-feira, 18 de maio de 2011

Anita no Jardim


Anita, não te esqueças de cuidar do teu jardim.
É importante que o trates, para que todas a florzinhas libertem aquele perfume de alegria e polvilhem o teu caminho de cor.
Fala com elas, fala de ti.
Elas gostam de ti, e se as tratares bem, elas vão, com o seu perfume e cor, encaminhar-te até ao recanto do teu jardim, onde sempre guardaste o saquinho do teu adubo, da tua força.
És verdadeiramente a Anita.
De olhos cor-de-mel, sumarentos de simpatia, sorriso magenta, és uma linda bonequinha, com o coração de açúcar.
Agradeço todos os dias, por ter no meu baú, alguém como tu.
Olha para ti, e ama-te.
Estás rodeada de gente que te adora e que te quer bem.

Sempre que puder, ajudo-te com o jardim.
Rega-o com magia.
As tuas flores, o teu jardim vão agradecer-te.
Gosto de ti*

terça-feira, 17 de maio de 2011

Hoje, apesar de tudo, foi um dia positivo.
Todos temos questões pendentes.
Portanto eu também as tenho.
Hoje resolvi uma dessas questões.
Sabendo sempre, que as coisas não eram bem como tu dizias havia um certo peso em cima de mim.
Achava que parte dos teus problemas se deviam à minha pessoa.
Mas não há nada como falar abertamente das coisas, e esclarecer eventuais mal-entendidos.
Mas... UFA! Sinto-me verdadeiramente aliviada.

Sabes porquê? Porque gosto muito de ti.
E venho aqui agradecer-te a santa paciência que tens para com esta pessoa.
És verdadeiramente um coração de ouro!

segunda-feira, 16 de maio de 2011

domingo, 15 de maio de 2011

Sinto que estou apaixonada por um príncipe que apenas existe dentro de mim.
Mas existe.
E hoje mais que nunca, consigo imaginar-te.
Imagino-me a olhar para ti, entre a multidão. Já fazia tempo que sentia a tua presença.
Corada, sorrio-te, e sinto nas bochechas duas covinhas a formarem-se.
Vejo os teus olhos, grandes, cheios de segredos e cumplicidade a aproximarem-se de mim.
Dás-me um beijo demorado e carnal, e de seguida um mais pequeno e doce.
Fico imóvel e por segundos falta-me o ar.
Abro os olhos, bebo um copo de água.
Fumo um cigarro e imagino-te outra vez.

Can You Meet Me Halfway:Black Eyed Peas.

É verdade... gosto de ti :)*

sábado, 14 de maio de 2011

Secretamente

Estou apaixonada por ti meu querido.
Fazes me sentir adolescente outra vez.
Nem imaginas há quanto tempo o meu coração não batia assim.
Vivo de afectos e emoções fortes.
Há momentos em que dou por mim, a pensar em ti, em que fico quase com falta de ar.
Passo o dia a sorrir do nada.
Apetece-me "gritar até rebentar as artérias" que tu és o meu amor.
Porque o és mesmo.
Eu não queria. Mas há coisas do coração incontroláveis.

Secretamente espero por ti num sitio qualquer.

Vou ficar à tua espera no fim do mundo.

quinta-feira, 12 de maio de 2011

Hoje apetece-me um beijinho de boa noite teu.


Entre conversas banais, cantorias e bailados caseiros, há sempre aquele momento, em que todas as noites bate a saudade.

Lembro-me de ti.

Baixo a cabeça na tentativa de dimunuir o nó que se forma na garganta.

Reparo no meu peito e vejo que estou ofegante.

Abano a cabeça de forma a tentar pensar outras coisas.

Não resulta.

Apago a luz e vou-me deitar.

Amanhã é outro dia.

quarta-feira, 11 de maio de 2011


O amor é um lugar estranho, do qual eu estranhamente gosto.

terça-feira, 10 de maio de 2011




A luz ao fundo do túnel começa muito devagar a ficar um pouco mais nítida.
Sinto que com a mudança do vento, também a minha sorte mudou.
A comunicação fluí e com ela a minha vida.
Reconheço-me, reencontro-me.
Guardo em mim todos os sonhos do mundo.
Acredito em mim e na minha capacidade de sozinha me povilhar de cor.
Aprendi a voar dentro de mim.

Respiro o mais fundo que consigo, e solto um ligeiro sorriso.
Hoje aprendi, que para ser feliz, não é preciso termos tudo aquilo que desejamos, basta conseguirmos evitar tudo aquilo que não queremos para nós.

O que tiver que ser será e o segredo está no saber esperar, e no saber aceitar.
Sinto-me nostalgicamente feliz.
E sobretudo sinto-me feliz, por ter conseguido encontrar uma vez mais em mim, a felicidade que muitas vezes procuro nos outros.

Não sou perfeita, como ninguém o é, mas cada vez mais tenho a noção de que me estou a trabalhar, todos os dias, para ser alguém melhor. Mais que controlar os defeitos, acho importante dar o melhor de cada virtude.
Há que reconhecer que apesar de todos os obstáculos que vão surgindo, apesar de todos os desafios, incompreensões, períodos de crise, fases de desespero, vale a pena viver.
E quando se acredita que vale a pena viver, é-se feliz.

sábado, 7 de maio de 2011


Vi-me completamente desesperada, naquela barulhenta avenida.
Atravessei a estrada, sem conseguir conter as lágrimas.
Mais que raiva dele, senti raiva de mim.
Caminhava com a sensação de não ter força se quer para chegar à paragem do autocarro que estava ali a vinte metros de mim, quando ouvi um leve buzinar de um carro que se havia encostado a mim mais que os outros. Olhei, e entre as lágrimas a primeira coisa que conseguir ver, foi alguém vestido de branco. Tentei focar melhor a imagem. E vi que um dos meus anjos da guarda acenava a cabeça, convidando-me a entrar. Abri a porta, entrei. Chorei, chorei nos primeiros minutos. Perguntou-me: "Quem te fez ficar assim?" Sem conseguir levantar a cabeça, respondi que tenho um problema: apaixonar-me sempre pelas pessoas erradas. Respondeu-me, que provavelmente eu estou a atravessar uma fase, pela qual ele também já passou, em que sempre que surge alguém novo na nossa vida, ponderamos sempre se esse alguém é o tal. E para não me preocupar mais, e para não chorar mais. Rodou-me um charuto. Pensei: "Será isto mesmo real? Saí há mais de dez minutos e já não havia ninguém no escritório... De onde apareceste tu, 'salvador'?" Paraste à porta da minha casa. Tiraste o cinto, fintaste-me nos olhos e passando-me a mão pela cara disseste: "Não gosto nem te quero ver assim!" Relembraste-me que homens há muitos, e o truque é efectivamente saber escolhê-los. Falámos sobre os nossos trabalhos, os nossos amigos, sobre nós os dois, e só me deixaste sair do carro, quando te certificaste que eu estava mais calma.
Passados dois dias, ainda não consigo perceber como é apareceste do nada, quando mais precisava de ti, sem que tu o soubesses.
Ou será que sabes?
Lembraste-me que afinal até não sou a pior pessoa do mundo.
Moro numa casa fantástica, tenho amigos que valem ouro (sendo tu um deles), trabalho e até aí fizeste questão de frisar a minha evolução, tenho saúde, e tenho uma vida inteira pela frente.
Despediste-te com um beijo.
Entrei em casa e chorei como se não houvesse amanhã durante dez minutos, até que uma das minhas amigas, se aproximou, ofereceu-me o seu colo, e com a cabeça deitada nas suas pernas, chorei o resto que havia por chorar.
Até que levantei a cabeça, limpei os restos do choro, abracei-a em tom de obrigado.
Decidi que o melhor seria ir espairecer.
Resolvi enviar uma mensagem ao anjo-da-guarda para lhe dizer que todos os dias agradeço a alguém cujo nome desconheço, o facto de ter alguém como ele na minha vida.
Fui-me arranjar, e saí. Jantei fora com uma das pessoas que melhor me perceber e fomos sair.
Apanhei das maiores molhas da minha vida, e eu, que nada gosto de apanhar chuva, à medida que íamos rasgando aquela cortina, quase que tive a sensação, que chovia de propósito, para que eu fosse "limpa" de certa forma. Encontrei gente que já não via há algum tempo, e acabei a noite a rir e dançar.
Sábado, não foi um dia fácil.
Senti que era tempo de assimilar, arrumar, apagar, esquecer e redescobrir-me enquanto pessoa e enquanto mulher.
Levei dois dias para conseguir escrever isto aqui. Mas só hoje me senti capaz de o fazer.
Senti-me seca de mais, as palavras não fluíam e por momentos tive medo disso. Por vezes sinto-me fria mais que nunca, sinto-me seca.
Sinto que perdi toda a capacidade de amar e ser feliz.
Mas essa sensação é sempre mera consequência de uma fase menos boa.
Eu consigo ter todas as capacidades que quiser.
Porque aquilo que eu posso ser, depende única e exclusivamente de mim, da minha força de vontade, da minha fé, dos meus ideais, dos meus princípios e dos valores que defendo.
Nada nem ninguém é melhor que eu.
Somos todos diferentes, e o truque é a simplicidade e aliada a ela o amor.
Para ser imprescindível há que ser diferente.

domingo, 1 de maio de 2011