quinta-feira, 28 de maio de 2009

Que dia de M%r#A!


Já a minha mãe dizia "Há dias de manhã que uma pessoa à tarde nunca deve sair à noite!"
Pois bem, adormeci furiosa
Hoje acordei 45 minutos depois do previsto.
Para não me atrasar mais resolvi adiantar o pequeno almoço.
Quase que me consegui livrar da ponta do meu dedo indicador esquerdo com a ajuda da faca do pão.
Para ajudar só tinha alcool em casa.
Epa. Preciso urgentemente de um retiro.
E espero que quando voltar do Canadá, já tenhas resolvido a tua vida. Não tenho tempo nem paciência para este tipo de cenas.

quarta-feira, 27 de maio de 2009

Não.

Não estás a ser de todo o que eu quero. O que eu conheci, e pelo qual me apaixonei.

Estou cansada de dar o que tenho e não tenho. De facto é verdade que também me ajudas muito, mas estás a falhar naquilo que dinheiro algum compra.

terça-feira, 26 de maio de 2009

....pffffff!


A paciência falta.

A força falha, e aquela desconfortável vontade de desistir começa a dar sinais de si. Não sou tão forte como pensava...
Aquele nó na garganta insiste em pernanecer, e e já tenho marcas nas palmas da mão de tanto cerrar os punhos para não chorar.
Apetecia-me ter um botão para me desligar.

segunda-feira, 25 de maio de 2009

As nuvens a pouco e pouco desapareceram


E lá partimos rumo ao Alentejo. Foi demais. Obrigada.*

domingo, 24 de maio de 2009

Obrigada amor

Obrigada meu amor por me proporcionares este domingo assim. Foi tão bom acordar as 8.30 da manhã, toda torcida no sofá e sem sinais de ti.
Obrigada por me proporcionares tanta raiva e tristeza nesta tão cinzenta manhã de domingo.
Obrigada por me deixares para segundo plano.
Obrigada por dizeres que é que te falo mal, que eu é que estou sempre mal.

Obrigada também por não teres vindo ontem, porque eu até passei o sábado a preparar-te uma surpresa.

Obrigada por me dares tudo e mais alguma coisa, por me levares a todos os lados, e por nestas alturas em que preciso mesmo de ti, não estás, nunca. Tudo o resto para mim é treta.

E para ti que sei que vais ler este post...


deixa-me dizer-te que gostei conversar contigo hoje de "manhã".
E quero mais ânimo dentro desse coração. Quero um sorriso ainda maior e mais bonito, mais sincero.
E se precisares, aqui mesmo ou lá mais além no sitio do costume chama por mim.
Beijinho*

Desespera.....




Muito espera a Borboleta... Cada vez mais acho que o amor é sinónimo de MUIIIITA paciência.
Adiante... já alguma vez tiveram a sensação que a vida por esta ou aquela circunstância, vos anda definitivamente a pôr a prova?
Que tudo vos acontece, e quanto mais complicado o dia a dia se torna mais força têm para seguir em frente, chegar, e vencer?
Hoje sinto-me assim :).
Apesar de já estar à tua espera há quase duas horas.

quarta-feira, 20 de maio de 2009

Senhor:


Dá-me paciência para aturar os meus colegas, pois se me deres força parto-lhes a cara.

terça-feira, 19 de maio de 2009

segunda-feira, 18 de maio de 2009

Marta



Apresento-vos a Marta.
Tem apenas 4 meses.
É linda de morrer como podem ver e é a minha prima mais nova. Primeira filha do meu primo mais velho.

Não resisti em apresentá-la.

sábado, 16 de maio de 2009

sexta-feira, 15 de maio de 2009

Moinho Dom Quixote




Ontem depois de um belo lanche em casa e de uma breve sesta, apareceste e levaste-me a jantar fora. Dentro do carro, a cantarmos alegremente ao som do rádio, apercebemo-nos que estavamos a caminho de lado nenhum.
Como ja era tarde e não me apetecia comer nenhum "cozido à portuguesa", sugeri o Moinho Dom Quixote, no Cabo da Roca.
Lembro-me que foi o primeiro sitio diferente a que me levaste e devo confessar que se a tua intenção era surpreenderes-me conseguiste! Recordo-me também que andavamos a combinar irmos lá um grande grupo, e tu, em segredo levaste-me lá sozinha, porque sabias que o sitio e o ambiente era a minha cara.
E de facto, adoro bar. Fica no extremo mais ocidental na Europa, e a decoração do espaço fascina-me. A música também é como eu gosto, calminha, brasileira e quente. E depois sabe tão bem, ver o vento a levar tudo lá fora, enquanto se saboreia, uns nachos com molho de abacate, ou guacamole, ou então o meu prato favorito lá: salada César, ao quentinho de uma larareira.
Foi a terceira ou quarta vez que lá me levaste.
E é sempre tão bom!
Cada vez me apercebo mais que conversamos imenso um com o outro sobre tudo.
Sinto que podes vir a ser um grande companheiro, que podemo-nos tornar grandes companheiros se tudo continuar a correr assim.
Estás cada vez mais doce, e agora que eu já tinha percebido, que não eras muito de mandar aquelas mensagens queridas que qualquer rapariga/ mulher gostas de receber, conseguiste mais uma vez surpreender.
É impossivel não me derreter contigo. E vou começando a acreditar que a minha felicidade está em ti, em nós.
A todos um bom fim de semana. :)*

quinta-feira, 14 de maio de 2009

:)


Nunca se sentiram parvos por se sentirem felizes com coisas pequeninas, pequeninas demais talvez?
Pois bem. Experimentei a sensação de ficar super feliz por ter recebido um iogurte.
Eu? Demente? Talvez!

terça-feira, 12 de maio de 2009

Verão 2007



Depois de ter conversado um pouquinho contigo, o banal de sempre: "tudo bem?"; "como está o teu pequeno"; "vais a Estremoz este fim de semana?"; etc, etc.... Pus-me a ver fotografias e encontrei a que ilustra este post.

Foi tirada em Setembro de 2007. No regresso das férias em Mil Fontes e depois da minha fuga (contigo) para Santo André naquele dia.

Hoje penso nisso sentindo-me serena. Já não entro em pânico e não se apuderam de mim sentimentos de arrependimento.

Em dois anos muito mudou na minha vida. Quando tudo isso aconteceu, ainda nem sabia para que falculdade ia entrar, hoje... já deixei a faculdade por motivos de ordem financeira, e trabalho num sitio, onde o teu amigo, meu cunhado, cheio de boa vontade me arranjou forma de subsistir. Sim, sou totalmente independente, mas levo uma vida de cão. Saídas à noite já eram... roupinha nova que de vez em quando faz falta é quase sempre impossivel de comprar. Mas apesar de tudo sou feliz, e olhando para esse ano de 2007 vejo-me tão pequenina, tão ignorante/inocente, tão indefesa, tão crédula, tão cheia de sonhos, sonhos esses que por talvez pelo facto das minhas prioridades terem mudado, a pouco e pouco se perdem, a pouco e pouco se desvanecem dando lugar a novas ambições, a novos podiums que um dia ainda quero conquistar.

E foi assim que me tiveste. Totalmente indefesa. Ainda não consegui perceber o que fomos um para o outro nesse verão. Mas hoje sei que nunca me quiseste mal. Muito pelo contrário, lembro-me de quando me ligavas todos os dias à tardinha, depois de eu chegar da praia, para me perguntares se eu estava bem e que se precisasse de alguma coisa era só chamar por ti.

Lembro-me que pouco tempo depois de ter chegado a Estremoz após esses 15 dias na Costa Alentejana me teres mandado uma mensagem a dizer: "Anusca, nada nos obriga a nada, mas um dia gostava de perceber o teu silêncio".

Sei que mais cedo ou mais tarde vais ler isto, e espero que percebas agora o meu silêncio da altura.

Com 18 anos vi-me na aventura mais louca que já vivi. Tu bem mais velho que eu, com muita pedalada de vida já e com um rebento amoroso. Já nos conheciamos antes desse verão, e nunca, nunca esperei nada daquilo que vivemos, e para dizer a verdade nem sei muito bem como e porque começou.

Queria mesmo estar contigo. Mas será que estava preparada para tudo aquilo? "Aquilo" que eu nem sei bem o que podia ter sido, nunca falamos sobre tal, nunca tivemos tempo para isso. Foi tudo muito rápido e fugaz, e talvez tenha sido esse o meu medo. De repente vi-me numa história em que nem sei como entrei e da qual nada percebia.

Depois entendi que o melhor seria afastar-me. Talvez tenha errado por não ter desabafado contigo, mas sabia lá eu o que fazer...

Espero que saibas, e sabes, que eu já te disse que "o trauma passou" e que não guardo qualquer ressentimento em relação a ti. Fizeste-me crescer. Obrigada L.E. Para ti um grande beijinho.

E já sabes... vai preparando lanchinhos que assim que o calor rebentar, começo a ir para a beach aí ao pé vou fazer questão de te visitar meu amigo :)

I AM CANADIAN





Pois é caros amigos.

Dia 30 às 6 da manhã estarei no Aeroporto de Lisboa, para ir visitar mais uma vez um país que também é meu. Falo do Canadá.

Para quem não sabe, o meu pai é canadiano, e toda a minha familia paterna é de lá, e lá se encontra, só o meu progenitor é que tomou a decisão de abandonar o seu país há quase 30 anos.

Em 20 anos de existência, não devo ter ido ao Canadá 6 anos, intrecalados.

O Canadá é uma federação, governada por uma monarquia constitucional e uma democracia parlamentar como sistema político. É constituido por 10 provincias e 3 territórios. O chefe de estado do país é a Rainha Isabel II, sendo o governo dirigido por um primeiro ministro, sendo que o actual é Stephen Harper.

Foi considerado há poucos anos o melhor país do mundo (conceito baseado na qualidade de vida, desenvolvimento sustentável, etc, etc...) e talvez por ser o segundo maior país do mundo em extensão territorial, apresenta uma baixissima densidade populacional: 3,5 habitantes/km².

Voltando à minha viagem, vou dia 30, o voo parte as 8:20, chega a Paris às 11:50 (hora local), onde apanho novo avião às 16:25 até Montreal onde irei chegar as 17:55 (hora local), onde estou sujeita depois ou a boleia ou a autocarro até Ottawa, cidade onde moram os meus avós. Volto dia 12, chegando cá dia 13.

Eu trago-vos alces e mando postais ahaha!

sábado, 9 de maio de 2009

21:36


Boa noite.
Estou sozinha na minha casa.
Os ponteiros marcam 21:36.
E tu ainda não chegaste, se bem que eu te tenha pedido para cá estares às 21:00.
Estou na sala, com o computador da Leonor no colo, apenas com o candeeiro de pé ligado.
No corredor, naquela mesinha que serve para as chaves supostamente... e que ninguem usa a não seres tu, está uma fila de velas, com cheiro a cereja, e um incenso aceso.
São agora, 22:55 e tu, que entretanto chegaste, está entretido com a televisão na mesma sala onde esrevo.
Na mesa lá ao fundo jantamos, cogumelos recheados, linguiça frita, gambas à guilho, e sopas de tomate com um ovo escalfado como gostas, às luz de duas velas que coloquei dentro de dois copinhos, com borboboletas estampadas, copos esses que comprei hoje à tarde quando já desesperada procurava, dois castiçais... até encontrar estes copos, que resolvi comprar pelo facto de tantas vezes me chamares "Borboleta" quando a nossa história começou.
Trouxeste uma garrafa de vinho, um excelente vinho deixa-me que te diga.
Agora que já atinaste com a televisão, e que me perguntaste se eu sabia porque é o Paulo Bento não esteve no banco (o que me leva a acreditar que ainda não percebeste que apesar de ter o coração verde e adorar ir ver jogos ao estádio, não ligo patavina ao futebol), e depois de ter escondido neste blogue um pouco do amor que sinto por ti, vou me juntar a ti, nesse sofá, enroscar-me e amar-te.

terça-feira, 5 de maio de 2009

Vambora


Entre por essa porta agora
E diga que me adora
Você tem meia hora
Pra mudar a minha vida
Vem vambora
Que o que você demora
É o que o tempo leva
Ainda tem o seu perfume pela casa
Ainda tem você na sala
Porque meu coração dispara
Quando tem o seu cheiro
Dentro de um livro
Dentro da noite veloz